Avanço na compreensão dos mecanismos do maior fator de risco genético para a Doença de Alzheimer esporádica

CerebcircUm estudo metodologicamente impecável foi publicado há poucos dias na revista Science Translational Medicine (que pode ser considerada uma “irmã médica caçula” da revista Science) sobre a ação da Apolipoproteína E (APOE) no desenvolvimento da Doença de Alzheimer. Com essa pesquisa de Eloise Hudry e colegas se deu um enorme passo para a descoberta dos mecanismos causais do mais forte fator de risco genético para a Doença de Alzheimer esporádica, a presença da APOE4 (alelo ε4 da APOE). Resumidamente, a Doença de Alzheimer é a principal causa de demência, afetando dezenas de milhões de idosos, e é caracterizada pelo acúmulo de uma proteína, que em certas circunstâncias é bastante neurotóxica, conhecida com β-Amilóide. Em sua ação normal (fisiológica) as apolipoproteínas são responsáveis pela redistribuição e mobilização do colesterol e estão envolvidas na manutenção da mielina e da membrana neuronal. No entanto, em humanos a APOE4 é conhecida por ser um forte fator de risco para a Doença de Alzheimer, enquanto os sortudos que possuem um alelo raro com a versão APOE2  apresentam uma proteção contra o desenvolvimento dessa doença.

Os resultados desse estudo apontaram que a APOE4 humana aumenta as concentrações de β-Amilóide (em maiores detalhes: em sua forma oligomérica, que é a mais perigosa para os neurônios e sinapses) no meio extracelular, por outro lado, quando houve a exposição à APOE2 ocorreu o inverso. Ou seja, as formas de APOE agem na deposição e na remoção da amilóide e na sua neurotoxicidade, por um lado agravando (APOE4), por outro amenizando (APOE2) os riscos. Esses resultados permitem um avanço na compreensão do risco genético da APOE4, como uma moduladora da β-Amilóide. Seguramente, mais um passo importante foi dado no entendimento da Doença de Alzheimer.

Referência:

Hudry, E., Dashkoff, J., Roe, A. D., Takeda, S., Koffie, R. M., Hashimoto, T., Scheel, M., Spires-Jones, T., Arbel-Ornath, M., Betensky, R., Davidson, B. L., & Hyman, B. T. (2013). Gene Transfer of Human Apoe Isoforms Results in Differential Modulation of Amyloid Deposition and Neurotoxicity in Mouse Brain.  Sci. Transl. Med. 5, 212ra161

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s